MUSICALIDADE E IDENTIDADE EVANGÉLICA: RUPTURAS, SINCRETISMOS E PERMANÊNCIAS NA JUVENTUDE EVANGÉLICA DA IGREJA CRISTÃ PRESBITERIANA DE PONTA GROSSA (2001-2010)

Regiane Ranieri Dias

Resumo


O presente artigo tem como objetivo analisar a fluência identitária recorrente no período de 2001 a 2010, dentro das produções musicais utilizadas no âmbito coletivo e individual pelo grupo de jovens evangélicos pertencentes à Igreja Cristã Presbiteriana de Ponta Grossa, por meio de um questionário destinado a estes jovens e à liderança, assim como encartes de Cd’s fornecidos pelos mesmos. Considerando a música como um espaço de apropriação identitária, foram selecionadas características que demonstram de que forma as produções musicais são utilizadas como ferramentas intencionais que geram a necessidade de afirmação de uma identidade, ao mesmo tempo em que são claras as manifestações de autoafirmação, que seguem um padrão que varia de acordo com o contexto social globalizante e a procura por uma afirmação identitária constante e sólida gerada como resposta diante da realidade em que estes jovens estão inseridos. O discurso produzido dentro desta forma de manifestação cultural possui características ambíguas, uma vez que ao mesmo tempo que incentiva rupturas, é sincreticamente composto, de uma forma adaptável e reinterpretada.  Essa ambivalência presente nas formas de manifestar a identidade evangélica por meio da expressão musical são fatores que indicam a complexidade das identidades modernas, assim como são fortes indicadores da fluidez com que as identidades vem sido formadas, pois em meio à essa dinâmica de ideologias e práticas, compreende-se que para se alcançar uma realidade ou um grupo específico, se faz necessário o diálogo entre aspectos contrastantes envolvidos na relação sincretismo/ruptura.

 


Palavras-chave


Identidade. Rupturas. Sincretismo.

Texto completo:

PDF

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários