Produção científica em redes de colaboração no campo da Política Educacional no Brasil (2000 - 2014)

Isac Pimentel Guimarães

Resumo


Resumo: O presente estudo investigou os processos de articulação e produção científica por intermédio das lutas geradas entre as diferentes posições de agentes em redes de colaboração, no campo da Política Educacional nos Programas de Pós-Graduação em Educação da região nordeste do Brasil, no período de quinze anos (2000-2014). Para tal, amparado no fazer sociológico e na teoria do campo científico de Pierre Bourdieu, a ênfase recai no agente que produz uma representação acadêmica no campo da Política Educacional de caráter científico e institucionalizado, bem como os condicionantes sociais de sua prática. Metodologicamente, buscou-se estabelecer a estrutura do espaço de produção acadêmica, por meio da utilização de instrumentos estatísticos e análise de redes sociais. A organização do campo da Política Educacional se dá, sobretudo, pelas disputas empreendidas entre os pares na busca pela autoridade científica, isto é, a conquista pelo crédito científico tem importância fundamental no mercado das publicações científicas, em que os resultados das pesquisas ganham projeções no âmbito dos Programas de Pós-Graduação em Educação e se transformam em créditos na comunidade científica que, consequentemente, são trocados por outros em redes de colaboração.

 

Palavras-chave: Política Educacional. Campo Científico. Redes de Colaboração. Produção Científica.

 

Producción científica en redes de colaboración en el campo de la política educacional en Brasil (2000 - 2014)

 

Resumen: El presente estudio investigó los procesos de articulación y producción científica por intermedio de las luchas generadas entre las diferentes posiciones de agentes en redes de colaboración, en el campo de la Política Educacional en los programas de pos-graduación en educación de la región nordeste de Brasil, en el período de quince años (2000-2014). Esto se sustentó en el hacer sociológico y en la teoría del campo científico de Pierre Bourdieu, el énfasis recae en el agente que produce una representación académica en el campo de la Política Educacional de carácter científico e institucionalizado, tanto, como los condicionantes sociales de su práctica. Metodológicamente, se buscó establecer la estructura del espacio de producción académica, por medio de la utilización de instrumentos estadísticos y análisis de redes sociales. La organización del campo de la Política Educacional se da, sobretodo, por las disputas emprendidas entre los pares en la búsqueda por la autoridad científica, esto es, la conquista por el crédito científico tiene importancia fundamental en el mercado de publicaciones científicas, en que los resultados de las investigaciones ganan proyecciones en el ámbito de los programas de pos-graduación en educación y se transforman en créditos en la comunidad científica, que, consecuentemente, son intercambiados por otros en redes de colaboración

 

Palabras clave: Política Educativa. Campo Científico. Redes de Colaboración. Producción Científica.

 

Scientific production in collaborative networks in the field of Education Policy in Brazil (2000 - 2014)

 

Abstract: This study investigated the relationship between the standards of scientific production and the academic education policy, through the struggles generated between the different positions of agents in collaborative networks, in the field of Education Policy and Management in the Graduate Programs in Education from the Northeast Region of Brazil, in a 15-year period (2000-2014). Therefore, supported by the sociological doing and by the scientific field theory of Pierre Bourdieu, the paper emphasizes the agents that produce a scientific and institutionalized academic representation of the theme as well as the social conditioning of their practice. Methodologically, it sought to establish the structure of the academic production space through the use of statistical tools. The results pointed out that the organization of the education policy field revolves mainly around the struggles between peers regarding scientific authority. This occurs because achievements linked to the scientific production have great importance in the scientific publication market, where the research results gain visibility inside education graduate program and become credits in the scientific community, which are consequently, traded by other credits in collaborative networks.

 

Keywords: Educational Policies. Scientific Field. Collaborative Networks. Scientific Production.


Texto completo:

PDF

Referências


AROSA, A. C. C. A produção acadêmico-científica sobre Política Educacional no GT - 5 da ANPEd (2000 a 2009). 2013. 252 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013.

AROSA, A. C. C. A pesquisa sobre Política Educacional: estudo sobre o GT5 da ANPEd. Revista de Estudios Teóricos y Epistemológicos en Política Educativa, v. 1, n. 1, p. 10-29, jan./jun. 2016.

AZEVEDO, J. M. L.; AGUIAR, M. A. A produção do conhecimento sobre a Política Educacional no Brasil: um olhar a partir da ANPEd. Educação & Sociedade, Campinas, v. 22, n. 77, p. 49-70, dez. 2001. DOI: https://doi.org/10.1590/s0101-73302001000400004

BARROSO, J. et al. Educational Policies as an object of study and training in Educational Administration. Sísifo - Educational Sciences Journal, n. 4, p. 5-19, sep./dec. 2007.

BAUMGARTEN, M.; MARQUES, I. C. Conhecimentos e redes: produção e apropriação de C&T. Sociologias, Porto Alegre, v. 10, n. 19, p. 14-21, jan./jun. 2008. DOI: https://doi.org/10.1590/s1517-45222008000100002

BLASCO, C. M. Producción y circulación del conocimiento en el campo de la política educativa y la gestión en américa latina. Bogotá, UNESCO, 2002. Disponível em: . Acesso em: 12 jun. 2018.

BORGES, G. Reflexões sobre a prática da pesquisa educacional e o conceito de ciência de 1944 a 1971 na Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos. In: JORNADAS LATINOAMERICANAS DE ESTUDIOS EPISTEMOLÓGICOS EN POLÍTICA EDUCATIVA, 2., 2014, Curitiba. Anais... Curitiba: ReLePe, 2014.

BOURDIEU, P. O campo científico. In: ORTIZ, R. (Org.). Pierre Bourdieu: sociologia. São Paulo: Ática, 1983a. p. 123-155.

BOURDIEU, P. Questões de Sociologia. Rio de Janeiro: Marco Zero, 1983b.

BOURDIEU, P. Homo academicus. Paris: Minuit, 1984.

BOURDIEU, P. La noblese d’Etat. Paris: Minuit, 1989.

BOURDIEU, P. A economia das trocas linguísticas: o que falar quer dizer. São Paulo: EDUSP, 1996.

BOURDIEU, P. Os usos sociais da ciência: por uma sociologia clínica do campo científico. São Paulo: Editora UNESP, 2004.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. 14. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2010.

BOURDIEU, P. Homo academicus. Tradução de Ione Ribeiro Valle e Nilton Valle Florianópolis: Editora da UFSC, 2011.

BOURDIEU, P.; CHAMBOREDON; PASSERON, C. El oficio de sociólogo: presupuestos epistemológicos. Buenos Aires: Siglo XXI, 2008.

BRAGA, M. J. C.; GOMES, L. F. A. M.; RUEDIGER, M. A. Mundos pequenos, produção acadêmica e grafos de colaboração: um estudo de caso dos Enanpads. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 42, n. 1, p. 133-154, jan./fev. 2008. DOI: https://doi.org/10.1590/s0034-76122008000100007

BULCOURF, P.; MÁRQUEZ, E. G.; CARDOZO, N. El desarrollo de la ciencia política en Argentina, Brasil y México: construyendo una mirada comparada. Anuario Latinoamericano Ciencias Políticas y Relaciones Internacionales, v. 1, p. 155–184, 2014. DOI: https://doi.org/10.17951/al.2014.1.0.155

CARBONAI, D. Valutare il networking. Note di studio sul partenariato sociale. RIV – Rivista italiana di valutazione, Milão, v. 43/44, p. 15-26, 2009.

CARBONAI, D.; COLVERO, R. B. Papéis sociais no ensino médio uma análise baseada na teoria das redes. Revista Brasileira de Educação, Belo Horizonte, v. 19, n. 58, p. 671-689, jul./set. 2014. DOI: https://doi.org/10.1590/s1413-24782014000800008

CASTELLS, M. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 2003.

CAPES. Relatório de Divulgação dos Resultados da Avaliação Trienal 2013. Diretoria de Avaliação. Ministério da Educação - Setor Bancário Norte, Qd. 02. Disponível em: . Acesso em: 18 ago. 2014.

JIMÉNEZ EGUIZÁBAL, A.; PALMERO CÁMARA, C.; LUIS RICO, I. The spectre of educational policy spreads throughout Europe. Its presence as a discipline in postgraduate education. Journal of New Approaches in Educational Research, v. 2, n. 2, p. 82-87, jul. 2013. DOI: https://doi.org/10.7821/naer.2.2.82-87

FAZITO, D. A análise de redes sociais e a migração: mito e realidade. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS POPULACIONAIS, 13., 2002, Ouro Preto. Anais... Ouro Preto: ABEP, 2002.

FERRAZ, R. R. N.; QUONIAM, L. M.; MACCARI, E. A. A utilização da ferramenta Scriptlattes para extração e disponibilização on-line da produção acadêmica de um programa de Pós-Graduação stricto sensu em Administração. Revista Brasileira de Pós-Graduação, Brasília, v. 11, n. 24, p. 361-389, jun. 2014. DOI: https://doi.org/10.21713/2358-2332.2014.v11.445

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1989.

GARCIAS FRANCO, J. Los profesores Ghioldi y Cassani: precursores del campo de la política educativa en Argentina. Ponencia. In: JORNADAS LATINOAMERICANAS DE ESTUDIOS EPISTEMOLÓGICOS EN POLÍTICA EDUCATIVA, 2., 2014, Curitiba. Anais… Curitiba: ReLePe, 2014a.

GARCIAS FRANCO, J. El surgimiento del campo de la política educativa en Argentina: los casos de las Universidades Nacionales de Buenos Aires y La Plata. Práxis Educativa, Ponta Grossa, v. 9, n. 2, p. 461-484, jul./dez. 2014b. DOI: https://doi.org/10.5212/praxeduc.v.9i2.0008

GAZDA, E.; QUANDT, C. O. Colaboração interinstitucional em pesquisa no Brasil: tendências em artigos na área de gestão da inovação. RAE-Eletrônica, São Paulo, v. 9, n. 2, p. 1-27, jul./dez. 2010. DOI: https://doi.org/10.1590/s1676-56482010000200010

GONÇALVES, N. G. A relação Estado e educação na produção acadêmica brasileira (1971-2000). 2003. 184 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2003.

GUIMARÃES, I. P. (Entre)laços e nós: a constituição do campo acadêmico em política e gestão da educação no Nordeste do Brasil. 2016. 361 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2016.

GUIMARÃES, I. P. A constituição do campo acadêmico em política e gestão da educação no nordeste do Brasil. In: CONGRESO ALAS URUGUAY, 31., 2017, Montevideo. Anais... Montevideo: ALAS, 2017a.

GUIMARÃES, I. P. Pesquisa e Pós-Graduação no Nordeste do Brasil: assimetrias na produção do conhecimento. In: CONGRESO ALAS URUGUAY, 31., 2017, Montevideo. Anais... Montevideo: ALAS, 2017b.

HAI-JEONG, A.; RODKIN, P.; WILSON, T. Social integration between african american and european american children in majority black, majority white, and multicultural elementary classrooms. New Directions for Child and Adolescent Development, v. 82, n. 5, p. 1.454-1.469, dec. 2011. DOI: https://doi.org/10.1002/cd.199

HALLINAN, M.; WILLIAMS, R. Interracial friendship choices in secondary schools. American Sociological Review, Menasha, v. 54, n. 1, p. 67-78, feb. 1989. DOI: https://doi.org/10.2307/2095662

HANNEMAN, R. A.; RIDDLE, M. Introduction to social network methods. Riverside: University of California, 2005.

HAYASHI, M. C. P.; et al. Indicadores de CT&I no pólo tecnológico de São Carlos: primeiras aproximações. Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Brasília, v. 3 n. 2, mar. 2006. p. 17-30.

HAYASHI, M. C. P. I. et al. História da Educação Brasileira: a produção científica na biblioteca eletrônica Scielo. Educação & Sociedade, Campinas, v. 29, n. 102, p. 181-211, jan./abr. 2008. DOI: https://doi.org/10.1590/s0101-73302008000100010

HAYASHI, M. C. P. I. Sociologia da ciência, bibliometria e cientometria: contribuições para a análise da produção científica. In: IV EPISTED – SEMINÁRIO DE EPISTEMOLOGIA E TEORIAS DA EDUCAÇÃO, 4., 2012, Campinas. Anais... Campinas: Unicamp, 2012.

HEY, A. P. Dominação simbólica e destino da educação superior no Brasil. 2004. 277 f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2004.

HEY, A. P. Esboço de uma sociologia do campo acadêmico: a educação superior no Brasil. São Carlos: EdUFSCar; São Paulo: FAPESP, 2008.

KAWABATA, Y.; CRICK, N. R. The significance of cross-racial/ethnic friendships: associations with peer victimization, peer support, sociometric status, and classroom diversity. Developmental Psychology, Arlington, v. 47, n. 6, p. 1763-1775, 2011. DOI: https://doi.org/10.1037/a0025399

KHMELKOV, V. T.; HALLINAN, M. T. Organizational effects on race relations in schools. Journal of Social Issues, Malden, MA, v. 55, n. 4, p. 627-645, 1999. DOI: https://doi.org/10.1111/0022-4537.00139

KRAWCZYK, N. A. A historicidade da pesquisa em Política Educacional: o caso do Brasil. Propuesta Educativa, v. 22, n. 39, p. 35-42, 2013.

LAVALLE, A. G.; CASTELLO, G.; BICHIR, R. M. Protagonistas na sociedade civil: redes e centralidades de organizações civis em São Paulo. Dados, Rio de Janeiro, v. 50, n. 3, p. 465-498, 2007. DOI: https://doi.org/10.1590/s0011-52582007000300002

LIMA, M. Y. Redes de coautoria científica no Programa de Pós-Graduação em Geociência da UFRGS. 2009. 72 f. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.

MACIAS-CHAPULA, C. A. O papel da informetria e da cienciometria e sua perspectiva nacional e internacional. Ciência da Informação, Brasília, v. 27, n. 2, 1998. DOI: https://doi.org/10.1590/s0100-19651998000200005

MAINARDES, J. Análise de políticas educacionais: breves considerações teórico-metodológicas. Contrapontos, Itajaí, v. 9, n. 1, p. 4-16, jan./abr. 2009.

MAINARDES, J. A pesquisa sobre Política Educacional no Brasil: análise de aspectos teórico-epistemológicos. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 33, p. 1- 25, 2017. DOI: https://doi.org/10.1590/0102-4698173480

MAINARDES, J. A pesquisa no campo da Política Educacional: perspectivas teórico-epistemológicas e o lugar do pluralismo. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 23, p. 1-21, 2018a. DOI: https://doi.org/10.1590/s1413-24782018230034

MAINARDES, J. Metapesquisa no campo da Política Educacional: elementos conceituais e metodológicos. Educar em revista, Curitiba, v. 34, n. 72, p. 1 – 16, nov./dez. 2018b.

MAINARDES, J.; STREMEL, S.; ROSA, G. L. R. A pesquisa sobre a disciplina Política Educacional no brasil: situação e perspectivas. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação, Goiânia, v. 33, n. 2, p. 287-307, mai./ago. 2017. DOI: https://doi.org/10.21573/vol33n22017.71495

MARTELETO, R. M. Análise de redes sociais: aplicação nos estudos de transferência da informação. Ciência da Informação, Brasília, v. 30, n. 1, p. 71-81, jan./abr. 2001. DOI: https://doi.org/10.1590/s0100-19652001000100009

MARTELETO, R. M.; SILVA, A. B. O. Redes e capital social: o enfoque da informação para o desenvolvimento local. Ciência da Informação, Brasília, v. 33, n. 3, p. 41-49, set./dez. 2004. DOI: https://doi.org/10.1590/s0100-19652004000300006

MEADOWS, A. J. A comunicação científica. Brasília: Briquet de Lemos, 1999.

MENDES, A. L. L.; NEVES, J. T. R. A contribuição da análise de redes sociais na gestão da informação nas organizações: um estudo de caso. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO - ENANCIB, 7., 2006, Marília. Anais... Marília: FFC/UNESP, 2006.

MENDONÇA, S. El campo de la política educativa en la dictadura Argentina. Los casos de la UBA y la UNLP. Ponencia. In: JORNADAS LATINOAMERICANAS DE ESTUDIOS EPISTEMOLÓGICOS EN POLÍTICA EDUCATIVA, 1., 2012, Buenos Aires. Anais… Buenos Aires: ReLePe, 2012.

MERTON, R. K. Sociologia: teoria e estrutura. São Paulo: Mestre Jou, 1970.

MIÑANA BLASCO, C. Producción y circulación del conocimiento en el campo de la política educativa y la gestión en América Latina. Santafé de Bogotá: Universidad Nacional de Colombia; Programa RED, 2002. p. 1-37.

MIZRUCHI, M. S. Análise de redes sociais: avanços recentes e controvérsias atuais. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 46, n. 3, p. 72-86, jul./set. 2006. DOI: https://doi.org/10.1590/s0034-75902006000300013

MOLINA, J. K.; MUÑOZ, J. M.; DOMENECH, M. Redes de publicaciones científicas: un análisis de la estructura de coautorias. REDES - Revista Hispana para el Análisis de Redes Sociales, Barcelona, v. 1, n. 1, p. 1-15, jan./abr. 2002.

MUGNAINI, R.; JANNUZZI, P.; QUONIAM, L. Indicadores bibliométricos da produção científica brasileira: uma análise a partir da base Pascal. Ciência da Informação, Brasília, v. 33, n. 2, p. 123-131, maio/ago. 2004. DOI: https://doi.org/10.1590/s0100-19652004000200013

MURO, P. G. El sentido de las redes. In: AUPETIT, S. D.; GÉRARD, E. Fuga de cerebros, movilidad acadêmica, redes científicas: perspectivas latinoamericanas. México: IESALC – CINVESTAV – IRD, 2009. p. 221-231.

OLIVEIRA, P. P. Illusio: aquém e além de Bourdieu. MANA, Rio de Janeiro, v. 11, n. 2, p. 529-543, out. 2005. DOI: https://doi.org/10.1590/s0104-93132005000200008

OLIVEIRA, S. C. Redes de colaboração científica: a dinâmica das redes em Nanotecnologia. 2010. 114 f. Dissertação (Mestrado em Ciência, Tecnologia e Sociedade) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2010.

ORTIZ, R. A procura de uma sociologia da prática. In: ORTIZ, R. (Org.). Pierre Bourdieu: sociologia, 1983. p. 7-36.

PAULILO, A. L. A pesquisa em políticas públicas de educação numa perspectiva histórica. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 91, n. 229, p. 481-510, set./dez. 2010.

PEREIRA, A. F. L. G. A produção acadêmica em Política Educacional no Estado do Paraná: um estudo mediado pela Teoria do Campo Científico. 2014. 140 f. Dissertação (Mestrado em Políticas Públicas) – Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2014.

PERISSINOTTO, R. M.; CODATO, A. Apresentação: por um retorno à sociologia das elites. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, v. 16, n. 30, p. 7-15, jun. 2008. DOI: https://doi.org/10.1590/s0104-44782008000100002

SANDER, B. A produção do conhecimento em políticas e gestão da educação. Linhas Críticas, Brasília, v. 11, n. 20, p. 41-54, jan./jun. 2005.

SANDER, B. A pesquisa sobre política e gestão da educação no Brasil: uma leitura introdutória sobre sua construção. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação, Porto Alegre, v. 23, n. 3, p. 421-447, set./dez. 2007.

SANTOS, A. L. F. A Pós-Graduação em Educação e o tratamento do tema Política Educacional: uma análise da produção do conhecimento no Nordeste do Brasil. 2008. 270 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2008.

SANTOS, A. L. F.; AZEVEDO, J. M. L. A Pós-Graduação no Brasil, a pesquisa em educação e os estudos sobre a Política Educacional: os contornos da constituição deum campo acadêmico. Revista Brasileira de Educação, Campinas, v. 14, n. 42, set./dez. 2009. DOI: https://doi.org/10.1590/s1413-24782009000300010

SAVIANI, D. Epistemologias da Política Educacional: algumas precisões conceituais. Revista de Estudios Teóricos y Epistemológicos en Política Educativa. v. 2, n. 1, jan./jun. 2017. DOI: https://doi.org/10.5212/retepe.v.2.002

SCHNEIDER, M. P. Pesquisa em Política Educacional: desafios na consolidação de um campo. Revista de Educação PUC Campinas, Campinas, v. 19, n. 1, p. 5-13, jan./abr. 2014.

SHINN, T.; PASCAL, R. Controvérsias sobre a ciência: por uma sociologia transversalista da atividade científica. São Paulo: Editora 34, 2008.

SIDONE, O. J. G.; HADDAD, E. A.; MENA-CHALCO, J. Padrões de colaboração científica no Brasil: o espaço importa?. São Paulo: TD Nereus, 2013. Disponível em: . Acesso em: 12 jun. 2018.

SILVA, M. R.; HAYASHI, C. R. M.; HAYASHI, M. C. P. I. Análises bibliométrica e cientométrica: desafios para especialistas que atuam no campo. InCID – Revista de Ciência da Informação e Documentação, Ribeirão Preto, v. 2, n. 1, p. 110-129, jan./jun. 2011. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2178-2075.v2i1p110-129

SOSSAI, F. C. Anotações sobre o conceito de campo e os estudos em políticas educacionais, Revista de Estudios Teóricos y Epistemológicos en Política Educativa, v. 1, n. 2, p. 294-333, jul./dic. 2016.

SOUSA, S. Z.; BIANCHETTI, L. Pós-Graduação e pesquisa em educação no Brasil: o protagonismo da ANPEd. Revista Brasileira de Educação, Campinas, v. 12, n. 36, p. 389-409, set./dez. 2007. DOI: https://doi.org/10.1590/s1413-24782007000300002

SOUZA, A. R. Os caminhos da produção científica sobre a gestão escolar no Brasil. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação, Porto Alegre, v. 22, n. 1, p. 13-39, jan./jun. 2006.

SOUZA, C. “Estado do campo” da pesquisa em políticas públicas no Brasil. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 18, n. 51, p. 15-20, fev. 2003. DOI: https://doi.org/10.1590/s0102-69092003000100003

STREMEL, S. Fontes para o estudo da constituição do campo da Política Educacional no Brasil. In: JORNADAS LATINOAMERICANAS DE ESTUDIOS EPISTEMOLÓGICOS EN POLÍTICA EDUCATIVA, 1., 2012, Buenos Aires. Anais… Buenos Aires: ReLePe, 2012.

STREMEL, S. A constituição do campo acadêmico da Política Educacional no Brasil. 2016. 315 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Estadual de Ponta Grossa, Ponta Grossa, 2016.

STREMEL, S. Aspectos teórico-metodológicos para a análise da constituição do campo acadêmico da Política Educacional no Brasil. Revista de Estudios Teóricos y Epistemológicos en Política Educativa, v. 2, p. 1-14, 2017. DOI: https://doi.org/10.5212/retepe.v.2.001

STREMEL, S.; MAINARDES, J. A emergência do campo acadêmico da Política Educacional em diferentes países. Tópicos Educacionais, Recife, v. 22, n. 1, p. 115-138, jan./jun. 2016.

TEIXEIRA, J. F.; VERHINE, R. E. Mudança organizacional em sistemas educacionais: uma compreensão à luz da análise de redes sociais. Educação (Porto Alegre), Porto Alegre, v. 37, n. 1, p. 81-91, jan./abr. 2014. DOI: https://doi.org/10.15448/1981-2582.2014.1.12985

TELLO, C. Las epistemologías de la Política Educativa en Latinoamérica: notas históricas y epistemológicas sobre el campo. Revista Espaço Pedagógico, Passo Fundo, v. 19, n. 2, p. 282-299, jul./dez. 2012.

TELLO, C.; MAINARDES, J. Revisitando el enfoque de las epistemologías de la Política Educativa. Práxis Educativa, Ponta Grossa, v. 10, n. 1, p. 153-178, jan./jun. 2015. DOI: https://doi.org/10.5212/praxeduc.v.10i1.0007esp

TOMAÉL, M. I. et al. Redes sociais e inteligência local: espaços da informação. In: SEMINÁRIO LATINO-IBEROAMERICANO DE GESTIÓN TECNOLÓGICA, 11., 2005, Salvador. Anais... Salvador: ALTEC, 2005. p. 1-14.

UGARTE, D. El poder de las redes. Barcelona: El Cobre, 2007.

URBIZAGÁSTEGUI-ALVARADO, R. A Cientometria como um campo científico. Informação & Sociedade: Estudo, João Pessoa, v. 20, n. 3, p. 41-62, set./dez. 2010.

VANZ, S. A. S.; STUMPF, I. R. C. Colaboração científica: revisão teórico-conceitual. Perspectivas em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v. 15, n. 2, p. 42-55, maio/ago. 2010. DOI: https://doi.org/10.1590/s1413-99362010000200004

WACQUANT, L. J. Fields of knowledge: French academic culture in comparative perspective, 1890-1920. Contemporary Sociology, v. 22, n. 4, p. 531-533, jul. 1993. DOI: https://doi.org/10.2307/2074398

WASSERMAN, S.; FAUST, K. Social network analysis: methods and applications. New York: Cambridge Press, 1994.

WITTMANN, L. C.; GRACINDO, R. V. (Coords.). O estado da arte em política e gestão da educação no Brasil: 1991 a 1997. Brasília: ANPAE; Campinas: Editora Autores Associados, 2001.




DOI: http://dx.doi.org/10.5212/retepe.v.3.010

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista de Estudios Teóricos y Epistemológicos en Política Educativa

           

_______________________________________________________________________

Revista de Estudios Teóricos y Epistemológicos en Política Educativa

ISSN 2409-3696

 

Licencia Creative Commons Esta obra está bajo una Licencia Creative Commons Atribución 4.0 Internacional.