Um procedimento de inclusão escolar de uma criança cega

  • Maria Luiza Pontes França-Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Maria Stella Coutinho de Alcântara Gil Universidade Federal de São Carlos

Resumo

O objetivo geral deste estudo foi avaliar o efeito de procedimentos de intervenção, em ambiente escolar inclusivo, no desenvolvimento motor e no repertório de interação social de uma criança cega com seus colegas crianças videntes. Participaram do estudo um menino cego, de cinco anos de idade, com atraso de desenvolvimento, e seus colegas videntes frequentadores da sala do maternal de uma creche. Para avaliar o desenvolvimento motor da criança cega, foram realizadas medidas antes e depois da intervenção, empregando-se o Inventário Portage Operacionalizado e, também, registros manuais e em vídeo. Para avaliar os efeitos da intervenção na interação social, os contatos e as trocas entre a criança e seus colegas foram identificados em sessões filmadas. Após a intervenção, verificou-se que desempenhos motores e os comportamentos interativos foram incluídos no repertório da criança cega, possibilitando a sua participação ativa no ambiente escolar. Palavras-chave: Educação Especial. Inclusão escolar. Criança cega. Interação social.

Biografia do Autor

Maria Stella Coutinho de Alcântara Gil, Universidade Federal de São Carlos
Doutorado em Psicologia Experimental pela USP. Pós-doutorado no E.K. Shriver Center for Mental Retardation/UMASSMED. Docente do Departamento de Psicologia, CECH/UFSCar, do Programa de Pós-Graduação em Psicologia e do Programa de Pós-Graduação em Educação Especial.
Publicado
2019-10-28