Sob o nome ciclos: disputas discursivas para significar uma educação democrática

  • Érika Virgílio Rodrigues da Cunha Universidade Federal de Mato Grosso
  • Alice Casimiro Lopes Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Resumo

Apresentamos neste artigo os resultados de uma pesquisa que focaliza a vinculação da política curricular dos ciclos à ideia de democracia na educação. Interessa-nos entender como essa vinculação democracia-ciclos é constituída e naturalizada, bem como, que efeitos políticos produz. Para tal, investigamos a produção especializada sobre ciclos, com maior destaque para os artigos em periódicos, considerando que tais textos acadêmicos são também textos políticos. A partir de um enfoque pós-fundacional e discursivo, buscamos des-sedimentar a interpretação naturalizada de que existe uma característica democrática da organização em ciclos. Nesse processo, procuramos dar visibilidade à constante disputa de sentidos e significados em torno do significante ciclos. Ciclos se torna, na perspectiva com a qual temos operado, um nome da/na política educacional por meio do qual se busca construir o projeto de uma escola democrática.   Palavras-chave: Política de currículo. Ciclos. Discurso. Nomeação. Democracia.

Biografia do Autor

Érika Virgílio Rodrigues da Cunha, Universidade Federal de Mato Grosso
Professora Adjunta do Departamento de Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação/PPGEdu, Instituto de Ciências Humanas e Sociais da Universidade Federal de Mato Grosso, Campus de Rondonópolis
Alice Casimiro Lopes, Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade do estado do Rio de Janeiro, Líder do Grupo de Pesquisa Políticas de Currículo e Cultura.
Publicado
2017-04-08