INUNDAÇÕES E REPERCUSSÕES SOCIOAMBIENTAIS NA CIDADE DE RONDONÓPOLIS, MT, BRASIL

Palavras-chave: artigo

Resumo

Nos últimos anos os problemas de inundações se intensificaram na cidade de Rondonópolis sobretudo pelo aumento da impermeabilização do solo e alterações no traçado original dos cursos d’águas. Este artigo visa discutir a evolução dos episódios e para tanto foram analisados registros das ocorrências na mídia e realizadas entrevistas com os moradores das áreas mais atingidas para analisar as repercussões sociais das inundações. Verificou-se pelas mídias um total de 15 episódios no período de 1979 a 2015 e que a frequência aumentou a partir de 2003. Contudo pelos depoimentos dos moradores tal frequência é muito maior e os prejuízos produzidos refletem-se tanto pela destruição de seus bens e pertences quanto dos equipamentos públicos (pavimentação asfáltica, pontes etc). Conclui-se que o problema das inundações de Rondonópolis decorre diretamente da falta de planejamento urbano e pelas alterações ambientais realizadas no sítio urbano sem estudos ambientais prévios.

Biografia do Autor

Jaqueline da Silva Trassi, Ministério Público do Estado de Mato Grosso
Possui graduação em Licenciatura Plena em Geografia (2013) e Mestrado em Geografia na Linha de Geotecnologias Aplicadas à Análise e Gestão Ambiental (2015) pela a Universidade Federal de Mato Grosso, Campus de Rondonópolis. Atua no mapeamento da paisagem com emprego de cartografia digital e geotecnologias. Temas recorrentes nas pesquisas inundações urbanas, modelagem hidrológica de bacias hidrográficas, modelagem geomorfológica. 
Jeater Waldemar Maciel Correa Santos, Universidade Federal de Rondonópolis-MT
Bacharelado em Geografia pela Universidade Estadual de Maringá (1990), Mestre em Geografia (Geografia Física) pela Universidade de São Paulo (1996), Doutor em Geografia (Geografia Física) pela Universidade de São Paulo (2002) e Pós-Doutorado em Sensoriamento remoto/SIG pela Universidade de Rennes2 - Rennes - França (2008). Atualmente é professor Associado na Universidade Federal de Mato Grosso e Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Geografia/Curso de Mestrado. Pesquisador na área de Geografia Física, atuando principalmente nos seguintes temas: Análise e Gestão Ambiental (com foco em estudos das áreas de climatologia e hidrologia), Geoprocessamento (sensoriamento remoto, cartografia digital e sistemas de informações geográficas/SIG) aplicado à Organização do Espaço (urbano e regional), e Geoecologia da Paisagem.
Sérgio Sebastião Negri, Universidade Federal de Mato Grosso
Possui graduação em Licenciatura Plena em Geografia pela UEM - Universidade Estadual de Maringá (1991), mestrado em Geografia, na Área de Análise e Planejamento Sócio Ambiental pela UFU - Universidade Federal de Uberlândia (2001) e doutorado em Geografia, na Área de Organização do Espaço pela UNESP - Rio Claro (2010). Atualmente é professor adjunto I do Departamento de Geografia, da Universidade Federal de Mato Grosso, Campus Universitário de Rondonópolis. Tem experiência na área de Geografia, com ênfase em Geografia Humana, atuando principalmente nos seguintes temas: globalização, território, agronegócio, desigualdades territoriais, educação ambiental, Mato Grosso.
Publicado
2019-12-19
Seção
Dossiê Cidades Médias de Hoje e do Futuro v.II - artigos